Home / Gente que é Destaque / Lázaro Ramos recusa interpretar Jesus Cristo em desfile da Mangueira

Lázaro Ramos recusa interpretar Jesus Cristo em desfile da Mangueira

Em um longo texto publicado no Instagram, Lázaro Ramos, 41, disse que teve de recusar o convite da Mangueira para ser um dos intérpretes de Jesus Cristo no desfile da escola no Carnaval carioca de 2020.

O ator afirmou que ficou muito feliz e honrado e que recebeu muitas mensagens de apoio para que aceitasse a proposta, “e alguns poucos questionando” a escolha. “Mas foi uma onda de amor gigante”, escreveu. Apesar disso, ele revelou que vai trabalhar e, por isso, teve de negar o convite.

“Mas a vida do artista é trabalhar em momentos em que a maioria das pessoas estão se divertindo. E esse é o meu trabalho, estarei trabalhando enquanto o público estará em folia. Infelizmente não poderei desfilar.”

Ramos também contou que ficou muito sensibilizado ao refletir sobre o convite. “Ao me pensar como um dos Jesus, imediatamente comecei a refletir sobre qual o sentido da mensagem de Cristo para mim e, inevitavelmente, o amor vinha como protagonista. Os rostos de quem me deu amor e que davam sentido à mensagem de respeito, acolhimento e afeto que a historia de Cristo deixou para nós, realmente tinham várias formas: É o rosto da minha tia-avó que me criou e também mais 19 crianças numa mesma casa, é o rosto dos meus mestres, que me abraçaram nos momentos de dúvida, é o rosto de um desconhecido que tocou no meu ombro e perguntou se estava tudo bem e são tantos rostos que espalham amor por aí fazendo jus à mensagem.”

Atual campeã, a Mangueira escolheu o enredo “A Verdade vos Fará Livre”, guiado pela voz de um Jesus carioca -“Eu sou da Estação Primeira de Nazaré/ Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher/ Moleque pelintra do Buraco Quente/ Meu nome é Jesus da Gente/ (…) Favela, pega a visão/ Não tem futuro sem partilha/ Nem Messias de arma na mão”. O desfile da verde-e-rosa, que será o terceiro do dia 23 de fevereiro, será conduzido mais uma vez pelo carnavalesco Leandro Vieira.

“A história de Jesus foi várias vezes desvirtuada para dar conta de projetos de poder. O enredo resgata a história de Jesus e quer pensar quem seria esse Jesus hoje”, diz a sambista Manuela Oiticica, a Manu da Cuíca, que divide a autoria da composição com Luiz Carlos Máximo.

A dupla integrou o grupo de oito compositores de “História para Ninar Gente Grande”, o já clássico samba-enredo do ano passado, vitorioso ao celebrar o “país que não está no retrato”, lembrando a vereadora Marielle Franco, assassinada em março de 2018. Dessa vez, a crítica ao Brasil oficial assume a perspectiva de um Cristo do morro.

“Fizemos uma releitura com esse Jesus nascendo no morro da Mangueira e também sendo torturado e assassinado pelo Estado, como é a realidade de muitos da juventude brasileira. Também assassinado pelos intolerantes, pelos mercadores da fé. Acaba sendo um bom diálogo entre o Jesus histórico e a história atual”, afirma Manu da Cuíca.

Fonte: Folha Press

Veja Também

Raul Gil volta a ser internado em UTI de hospital em São Paulo

Raul Gil de 82 anos, voltou a ser internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *