Home / Política / Disputa pela Presidência já tem 14 candidatos. Veja lista

Disputa pela Presidência já tem 14 candidatos. Veja lista

Em um cenário de ampla indefinição, as eleições deste ano devem ter uma enxurrada de candidatos à Presidência da República. Até o momento, já são 14 alternativas que se colocam publicamente. Algumas delas são certas, como Álvaro Dias (Podemos) e Jair Bolsonaro (PSL). Outras são um desejo do partido, como Lula (PT). Mas o ex-presidente foi condenado em segunda instância e deve dar lugar a Fernando Haddad, o ex-prefeito de São Paulo que é citado como o “Plano B” petista.

Há ainda os que tentam “vingar” como candidatos. É o caso de Henrique Meireles (PSD) e Paulo Rabello Castro (PSC), ambos sonhando deslanchar em cima de uma pregação liberal que tem sintonia com o mercado (grandes empresários). E ainda podem vir nomes que sequer estão na lista, caso de Luciano Huck, que pode ser lançado pelo PPS, em lugar de Cistovam Buarque. E há novidades, como Manuela D’Ávila (PCdoB) e Guilherme Boulos, cortejado pelo PSOL.

Abaixo, a lista dos nomes mais badalados, em uma sequência que observa uma graduação ideológica, da esquerda para a direita.

Quem é quem no jogo eleitoral

Manuela D’Ávila – PCdoB
Aliado histórico do PT, o PCdoB surpreendeu a lançar candidato próprio – talvez antecipando o cenário sem Lula.

Guilherme Boulos – PSOL
Líder do MTST, é o nome mais cotado para defender as teses de uma esquerda ética, abraçada pelo partido.

Marina Silva – REDE
Tem o recaall de duas campanhas e aura de séria. Mas tem imagem de pouco maleável e um partido sem estrutura.

Cristovam Buarque – PPS
O partido queria (e quer) Luciano Huck. Mas pode ter que se contentar com o respeitado mas nada empolgante Cristovam.

Lula/Fernando Haddad – PT
O PT quer Lula. Mas já tem Plano B: Fernando Haddad, que vai tentar mostrar que é o PT de sempre, mas com um pé na renovação.

Álvaro Dias – PODEMOS
Crítico ferrenho das gestões PT e Temer, tenta surfar no sentimento anti-política. Agrega a experiência de ex-governador.

Ciro Gomes – PDT
De língua afiada e discurso consistente, paga caro pela capacidade de ataque, muitas vezes não poupa nem aliados.

Geraldo Alckmin – PSDB
Com discurso de centro, tenta se firma como o nome experiente e confiável em uma cenário que pede mudanças.

Rodrigo maia – DEM
Diz que não é candidato, mas faz tudo para ser. Quer ser a opção que o chamado “mercado” Ainda não tem.

João Almoêdo – NOVO
Ex-banqueiro, abraça a ideia da renovação política a partir da cidadania. Faz palestras para ficar conhecido.

Paulo Rabello Castro – PSC
Presidente do BNDES, deseja ser alternativa para um eleitorado liberal carente de nomes que empolguem.

Henrique Meirelles – PSD
O ministro tem feito pregações em templos evangélicos. Mas não empolgar nem o mercado financeiro.

Fernando Collor – PTB
Eleito em 1989, renunciou após processo de impeachment por corrupção. Mas que este tema está no passado.

Jair Bolsonaro – PSL
No estilo “prendo e arrebento” e pregação por mudança, se posiciona como a direita assumida e nem tão civilizada.

Fonte: cidade verde

Veja Também

STF julga nesta quarta-feira habeas corpus de Palocci e Maluf

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nesta quarta-feira os pedidos de habeas corpus do deputado ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *