Home / Notícias / ‘Grande vilão’, diz médica sobre uso de cigarro eletrônico

‘Grande vilão’, diz médica sobre uso de cigarro eletrônico

A legislação brasileira proíbe a venda, importação e propaganda de cigarros eletrônicos, mas isso não impede que o produto seja encontrado facilmente no comércio de grandes cidades, o que gera uma série de preocupações aos médicos. O Jornal Hoje ouviu especialistas, que falaram como as substâncias presentes no aparelho geram vício e problemas de saúde.

É uma grande armadilha, ele é um grande vilão. Está difícil parar de usar o cigarro eletrônico tanto ou até mais do que o cigarro convencional”, alerta Lygia Sampaio, que é pneumologista e faz parte da Comissão Científica de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia.

A preocupação da especialista tem um motivos, já que os pesquisadores encontraram mais de duas mil substâncias no cigarro eletrônico, sendo algumas delas cancerígenas. Com isso, o vapor inalado entra no sistema respiratório causando irritações e inflamações, chegando a causar falta de ar, tosses e problemas crônicos.

Outra preocupação dos cientistas é com a presença da nicotina nesses dispositivos. Como eles são vendidos de forma ilegal, não dá para saber ao certo qual a quantidade da substância nos aparelhos, como explica a chefe de Divisão de Avaliação de Tecnologias em Saúde (DATS), do Instituto Nacional de Câncer (Inca), Laura Barufaldi.

“A nicotina do cigarro eletrônico é a mesma nicotina do cigarro convencional. Não tem um controle desse nível de nicotina, ou seja, pode ser que se esteja ingerindo muito mais do que um cigarro convencional”, explica.

A especialista ainda esclarece um mito que foi criado em torno do aparelho, que dizia que ele poderia ajudar a pessoas a pararem de fumar o cigarro convencional. “Essa estratégia da indústria, de dizer que o objetivo é para os adultos pararem de fumar, na verdade o que se vê é o uso pelo público jovem, que depois vai passar a ser um usuário do cigarro convencional também“, diz Laura.

Cigarro eletrônico é encontrado com facilidade nas grandes cidades brasileiras. — Foto: TV Globo/Reprodução

Cigarro eletrônico é encontrado com facilidade nas grandes cidades brasileiras. — Foto: TV Globo/Reprodução

Para quem conseguiu parar com o uso do cigarro eletrônico, os benefícios podem aparecer rapidamente.

Eu ficava bem cansada, ofegante. Outra coisa que eu percebi foram as alergias, pois como eu tenho sinusite e rinite, eu vivia com todas elas atacadas e já diminuiu bastante depois que eu parei“, conta a fisioterapeuta Adaljane Barros, há três meses sem usar o cigarro eletrônico.

O que dizem as autoridades

  • A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou, por meio de nota, que a produção, venda e importação dos cigarros eletrônicos são crimes contra a Saúde Pública e que a fiscalização é de responsabilidade de estados e municípios.
  • A Vigilância Sanitária da cidade de São Paulo, local onde foi gravada a reportagem, disse que entre janeiro de 2020 e dezembro de 2022 foram recebidas 13 denúncias de locais que vendem cigarros eletrônicos. Duas lojas foram autuadas e cinco mil itens foram apreendidos.
  • Polícia Federal disse que realiza ações ostensivas para identificar, apreender cargas e prender os responsáveis pelo contrabando dos cigarros eletrônicos. A PF afirma ainda que, entre 2020 e 2022, apreendeu mais de 186 mil cigarros eletrônicos.
 CONTEUDO: G1

Veja Também

Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta segunda-feira (22) a parcela de abril do Bolsa Família ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *